sexta-feira, 6 de maio de 2011

Novidades da Gradiva: O Cemitério de Praga - Umberto Eco

O Cemitério de Praga - Umberto Eco


O novo romance do autor de O Nome da Rosa
 
Sinopse: 
Durante o século XIX, entre Turim, Palermo e Paris, encontramos uma satanista histérica, um abade que morre duas vezes, alguns cadáveres num esgoto parisiense, um garibaldino que se chamava Ippolito Nievo, desaparecido no mar nas proximidades do Stromboli, o falso bordereau de Dreyfus para a embaixada alemã, a disseminação gradual daquela falsificação conhecida como Os Protocolos dos Sábios de Sião (que inspirará a Hitler os campos de extermínio), jesuítas que tramam contra maçons, maçons, carbonários e mazzinianos que estrangulam padres com as suas próprias tripas, um Garibaldi artrítico com as pernas tortas, os planos dos serviços secretos piemonteses, franceses, prussianos e russos, os massacres numa Paris da Comuna em que se comem os ratos, golpes de punhal, horrendas e fétidas reuniões por parte de criminosos que entre os vapores do absinto planeiam explosões e revoltas de rua, barbas falsas, falsos notários, testamentos enganosos, irmandades diabólicas e missas negras. Óptimo material para um romance-folhetim de estilo oitocentista, para mais, ilustrado com os feuilletons daquela época. Há aqui do que contentar o pior dos leitores. Salvo um pormenor. Excepto o protagonista, todos os outros personagens deste romance existiram realmente e fizeram aquilo que fizeram. E até o protagonista faz coisas que foram verdadeiramente feitas, salvo que faz muitas que provavelmente tiveram autores diferentes. Mas quando alguém se movimenta entre serviços secretos, agentes duplos, oficiais traidores e eclesiásticos pecadores, tudo pode acontecer. Até o único personagem inventado desta história ser o mais verdadeiro de todos, e se assemelhar muitíssimo a outros que estão ainda entre nós.
Um romance fantástico, de um autor que uma vez mais mostra saber como nenhum outro combinar erudição, humor e reflexão. 

Sobre o autor:
Umberto Eco nasceu em Alexandria, Piemonte, na Itália, em 1932.
Por insistência familiar, iniciou os estudos de Direito, que abandonou pouco depois para se dedicar à temática que sempre o fascinou: a Idade Média. Tem aliás como tema da licenciatura em Estética, uma tese sobre São Tomás de Aquino. Trabalhou na RAI até a Bompiani lhe oferecer o cargo de editor daquela famosa casa editorial. Foi colaborador de algumas revistas, e em 1960 aderiu ao Gruppo 63, junto com outras personalidades da cultura italiana dos últimos trinta anos.
Recebeu em várias universidades o título de doutor Honoris Causa e, em 1993, o prestigiado Norton Lectures, da Universidade de Harvard, pela sua vasta bibliografia na área do ensaio.
A sua obra O Nome da Rosa, projectou-o dos círculos universitários para a ribalta dos autores de best-sellers. É ainda autor de romances como O Pêndulo de Foucault, A Ilha do Dia Antes, Baudolino e de A Misteriosa Chama da Rainha Loana, todos eles várias vezes reeditados. É também autor de História da Beleza, um notável ensaio ilustrado dirigido por Umberto Eco, sobre a evolução do conceito do Belo ao longo da História. Em 2007, é publicado História do Feio, que surge como a sequência natural de História da Beleza.
Actualmente é professor de Semiótica e Presidente da Escola Superior de Ciências Humanas da Universidade de Bolonha.


Colecção: Fora de Colecção
Páginas: 572
Ano de edição: 2011
ISBN: 978-989-616-408-9
Capa: Brochado (capa mole)
Preço: 21 €

Sem comentários:

Enviar um comentário